Nossos livros digitais: Direito do consumidor, sociologia, política etc. Amazon [clique aqui para acessar], um dos sites mais conceituados em livros digitais. Os livros são de minha autoria.


POLÍCIA FEDERAL: SAIBA COMO DENUNCIAR. ACESSE AQUI.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Cuidado com os cursos profissionalizantes e multas contratuais

É de conhecimento de muitos brasileiros a velha postura de alguns, ou todos, os cursos particulares profissionalizantes. Lanças nas ruas funcionários “caça clientes”. Estes, por sua vez, abordam os transeuntes e logo jogam enxurradas de informações. Alguns transeuntes se mostram interessados com algumas facilidades prometidas pelos estabelecimentos profissionalizantes.

Incentivado, o transeunte é conduzido pelo “caça cliente” para dentro do estabelecimento comercial profissionalizante. Estando dentro são oferecidos água e cafezinho. Os sorrisos, os apertos de mãos dos funcionários aos futuro cliente são cativantes, acolhedores.

Seguindo, o alvejado cliente (futuro) é convidado a se sentar para ouvir as facilidades, as qualidades, os benefícios que terá caso se matricule no curso, na instituição profissionalizante. Depois dos sorrisos, das palavras e frases tentadoras, e o “cliente” acha-se ainda com dúvida, o funcionário lança o ardil motivo de o “cliente” não recursar a “grande” oportunidade de se matricular: “aproveite esta promoção e facilidades, pois as vagas estão se esgotando”, eis a frase persuasiva – que é ensinada, claro por pessoas que tem conhecimento de psicologia comportamental.

“Faça logo a sua matrícula, você não se arrependerá”, diz o funcionário do curso. Assim, com tantas facilidades apresentadas e, “infelizmente”, o não ter tempo de pensar, pois há pouquíssimas vagas no curso, o transeunte abordado na rua, conduzido parta dentro do estabelecimento e, posteriormente, de forma “confortável”, é bombardeado com informações que só dão ideias de vantagens, se rende - sem combate corporal, sem palavras ríspidas - e apenas aceita a proposta porque foi induzido com técnicas persuasivas ensinadas por profissionais de comportamento humano.

Então, paga a matrícula para o curso pretendido como forma de adquirir uma das pouquíssimas vagas disponíveis. Depois, ou no ato, é oferecido o carnê de pagamento – e em alguns casos se paga logo a primeira mensalidade como confirmação de que fará o curso – e o contrato.

O mais impressionante disto tudo é que em nenhum momento o transeunte fisgado pelo “caça cliente” na rua até a entrada no estabelecimento e bombardeado com vastas “facilidades” recebeu qualquer informação sobre “multa contratual em caso de desistência do curso”.

Isto mesmo, senhores leitores. trata-se de prática abusiva e má fé tal comportamento da empresa. Se os “caças-clientes”, seja fora ou dentro do estabelecimento, têm tempo para mostrarem as instalações, os professores e as vantagens de se estudar no estabelecimento profissionalizante, então, por que não falam sobre a cláusula contratual sobre multa contratual em caso de desistência de curso?

É um conduta comum em todos os cursos – espero que, através de mensagens neste blog – você possam confirmar tal arbitrariedade e postura de má fé dos donos de estabelecimentos profissionalizantes. E disto, que possamos levar as autoridade públicas este ardil comportamento ao consumidores lesados.

E caso as autoridades brasileiras não fazem nada a respeito é possível invocar instituições estrangeiras ou postar em sites jornalísticos também estrangeiros como as autoridades brasileiras defendem os direitos dos consumidores. Nós, blogueiros, temos uma “arma” contra arbitragens, desrespeitos aos direitos e dignidade humana.

Este texto está disponível nos seguintes blogs:

Trânsito Escola

Brasil Progresso

Imprima ou salve em PDF

Sobre o Autor:
Humanista que contribui para a efetiva aplicação do artigo 3°, da CF/1988; (objetivos fundamentais), do artigo 5°, da CF; (Direitos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana), do artigo 37 (princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência; principalmente sobre a moralidade administrativa) da Constituição Federal de 1988; e Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana dos quais o Brasil é signatário. NÃO HÁ DIGNIDADE HUMANA NUMA NAÇÃO QUANDO A MAIORIA DO POVO NÃO TEM QUALIDADE DE VIDA SEJA POR: SALÁRIO MÍNIMO QUE NÃO ATENDE AS NECESSIDADES BÁSICAS (art. 7°, IV, da CF); ESCASSEZ OU AUSÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA (art. 144, da CF); SERVIÇOS PÚBLICOS INEFICIENTES (LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995); IMORALIDADE DOS AGENTES POLÍTICOS (LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992); DOENÇAS PROVOCADAS POR PRECARIEDADE NA INFRAESTRUTURA DE SANEAMENTO BÁSICO (LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007); OMISSÃO, NEGLIGÊNCIA DAS AUTORIDADES PÚBLICAS QUANTO AO USO INDISCRIMINADO DE AGROTÓXICOS NA ALIMENTAÇÃO HUMANA (LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989); VOTAÇÃO SECRETA DE PARLAMENTARES PARA ABSOLVER AGENTE POLÍTICO CORRUPTO..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Obrigado
1) O conteúdo da mensagem é de inteira responsabilidade do respectivo autor
2) Olá, pessoal. Estou sem tempo para responder. Além disso, como estamos no Capitalismo, preciso de dinheiro. E quem não precisa? Fiz o manual como solidariedade. Para perguntas e dúvidas recomendo visitar minha loja virtual no Amazon. Lá tem livros digitais: Direito do consumidor, sociologia, política etc. Amazon, um dos sites mais conceituados em livros digitais. Os livros são de minha autoria. Os livros digitais sobre Direito do Consumidor, por exemplo, são formulados com base nas perguntas dos internautas. Obrigado!

O link é [copie e cole na barra de endereço de seu navegador [Internet Explorer, Google, Safari, Opera, Firefox etc.] e dê "ENTER":

http://www.amazon.com.br/s/ref=dp_byline_sr_ebooks_1?ie=UTF8&text=S%C3%A9rgio+Henrique+da+Silva+Pereira&search-alias=digital-text&field-author=S%C3%A9rgio+Henrique+da+Silva+Pereira&sort=relevancerank