Nossos livros digitais: Direito do consumidor, sociologia, política etc. Amazon [clique aqui para acessar], um dos sites mais conceituados em livros digitais. Os livros são de minha autoria.


POLÍCIA FEDERAL: SAIBA COMO DENUNCIAR. ACESSE AQUI.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Afinal, a quem interessa como formar ideias e opiniões?

image

image

image

Trânsito Escola – Sabemos que o mundo não é perfeito, pois se fosse não teríamos ‘mensalão’, dinheiro na cueca, absolvição de deputado ímprobo por voto secreto na Câmara dos Deputados.

Antes de pré-julgar é preciso analisar. Vamos ver se há vandalismo:

Ética e moral são conceitos abstratos que variam de nação para nação, de Estado para Estado. Quando alguém se comporta de  forma  ética,  pode-se  dizer  que  ela  fez  algo  positivo (seguiu os preceitos sociopolítico).  Uma  ação  antiética  é a ação em desacordo com os valores sociopolíticos. E quem determina os padrões éticos em uma sociedade? Na verdade, ninguém. Tratam se  de  valores  abstratos  construídos  coletivamente  e  transformados  por  mudanças sociais  e  históricas.

Por exemplo, o Código Civil de 1916 dava a supremacia do homem sobre a mulher. Em alguns casos o homem poderia matar a mulher em nome da honra. Sim, antes da Constituição Federal de 1988 (atual) as mulheres eram apenas acessórios dos homens.

Os negros. Por muito tempo foram considerados sem considerados sem alma pela igreja católica. Apesar da abolição da escravatura, os negros não tinham direitos dos quais os conhecemos na atual Constituição.

 

História no tempo e valores sociopolíticos

image

Na fato acima vemos João Cândido Felisberto, o “Almirante Negro”

O “almirante negro”, como ficou conhecido, entrou para a história porque se recusou a conformar-se  com  a  situação  de  preconceito  e  degradação  que  lhe  era  imposta  na Marinha, por ser negro. Em uma de suas viagens presenciou o tratamento que os negros na esquadra inglesa tinham: de respeito.

Revoltado  com os tratamentos da Marinha Brasileira, onde os negros eram chibatados constantemente, o “almirante negro”, em  22 de novembro de 1910, se rebela e faz motim dentro de um navio brasileiro.

“Por quatro dias, os navios de guerra Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Deodoro apontaram os seus canhões para a Capital Federal. No ultimato dirigido ao Presidente Hermes da Fonseca, os revoltosos declararam: "Nós, marinheiros, cidadãos brasileiros e republicanos, não podemos mais suportar a escravidão na Marinha brasileira". A rebelião terminou com o compromisso do governo federal em acabar com o emprego da chibata na Marinha e de conceder anistia aos revoltosos. Entretanto, no dia seguinte ao desarmamento dos navios rebelados, dia 27, o governo promulgou em 28 de novembro um decreto permitindo a expulsão de marinheiros que representassem risco, o que era um nítida quebra de palavra, uma traição do texto da lei de anistia aprovada no dia 25 pelo Senado da República e sancionada pelo presidente Hermes da Fonseca, conforme publicação no diário oficial de 26 de Novembro, levado ao Minas Gerais pelo capitão Pereira Leite”. (João Cândido – Wikipédia, a enciclopédia livre)

 

image

Tiradentes – Wikipédia, a enciclopédia livre

Leia mais: Revoltas, Guerras, conflitos e movimentos sociais no Brasil e no mundo - Só História

Eu poderia tecer vários exemplos sobre movimentos sociais, mas não é o propósito, pois estudantes têm acessos às informações.

A matéria ‘história’, não é muito do gosto da juventude, pois acham que “é peça de museu, e nada mais”. Não. estudar história é saber das mudanças sociopolíticas em uma cultura e determinado tempo histórico. Através do saber você poderá acompanhar às mudanças no Brasil e discernir por si, não sendo manipulado por qualquer mídia, site, blog.

Deixo à dúvida em seu ser para poder refletir, e graças a esta capacidade é que existiram homens e mulheres livre, em seus espíritos, a lutarem por seus direitos naturais: vida digna. Jamais se fixe numa leitura, mas amplie seus horizontes, pois só assim você terá informações para discernir, ser líder de si mesmo, ajudar ao próximo quando é violado em seus direitos naturais.

As leis humanas, como visto acima, nos exemplos, varia conforme o pensar, as convicções do que seja “certo” ou “errado”. Quando poucos estão no poder, deixando muitos na mais indigna condição humana, não é vandalismo lutar pelos ideais de “liberdade, igualdade e fraternidade”, que nortearam os Direitos Humanos, dos quais todos têm na Constituição Cidadão, de 1988 – onde o povo tem poderes acima dos governantes, sendo estes apenas as expressões de materializações dos desejos e vontades do povo.

O povo brasileiro é caridoso – assim reconhecido mundialmente – e lutar por ideias solidários a universalização de direitos humanos não é ser vândalo. Infelizmente, quando há burocracia - como perpetuação do Absolutismo, e a ditadura disfarça de ‘Estado de Direito”,enquanto o povo vive com “pão e circo”, e os soberanos (políticos corruptos) sugam à vitalidade dos brasileiros trabalhadores - não se pode dizer que há vândalos, anarquistas, vagabundos, que agem para os absolutistas saírem do Palácio de Versalhes (conforto, luxúria, sanguessugas do dinheiro público) para dar lugar a verdadeira Democracia (consolidada).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution Non-commercial No Derivatives license.Permissões além do escopo desta licença podem estar disponível em: transitoescolaeducacao@gmail.com A cópia é permitida desde que cite este site / blog. A não ser de fontes replicadas, que podem ser modificadas, comercializadas, de acordo com suas respectivas licenças.

Imprima ou salve em PDF

Sobre o Autor:
Humanista que contribui para a efetiva aplicação do artigo 3°, da CF/1988; (objetivos fundamentais), do artigo 5°, da CF; (Direitos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana), do artigo 37 (princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência; principalmente sobre a moralidade administrativa) da Constituição Federal de 1988; e Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana dos quais o Brasil é signatário. NÃO HÁ DIGNIDADE HUMANA NUMA NAÇÃO QUANDO A MAIORIA DO POVO NÃO TEM QUALIDADE DE VIDA SEJA POR: SALÁRIO MÍNIMO QUE NÃO ATENDE AS NECESSIDADES BÁSICAS (art. 7°, IV, da CF); ESCASSEZ OU AUSÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA (art. 144, da CF); SERVIÇOS PÚBLICOS INEFICIENTES (LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995); IMORALIDADE DOS AGENTES POLÍTICOS (LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992); DOENÇAS PROVOCADAS POR PRECARIEDADE NA INFRAESTRUTURA DE SANEAMENTO BÁSICO (LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007); OMISSÃO, NEGLIGÊNCIA DAS AUTORIDADES PÚBLICAS QUANTO AO USO INDISCRIMINADO DE AGROTÓXICOS NA ALIMENTAÇÃO HUMANA (LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989); VOTAÇÃO SECRETA DE PARLAMENTARES PARA ABSOLVER AGENTE POLÍTICO CORRUPTO..