Nossos livros digitais: Direito do consumidor, sociologia, política etc. Amazon [clique aqui para acessar], um dos sites mais conceituados em livros digitais. Os livros são de minha autoria.


POLÍCIA FEDERAL: SAIBA COMO DENUNCIAR. ACESSE AQUI.

sábado, 8 de março de 2014

Greve dos garis no RJ termina, e fica a lição de que união e persistência fazem acontecer

imageBrasil Progresso – A greve dos garis da Comlurb terminou hoje, depois de oito dias de greve seguido de muito lixo nas ruas - a paralisação dos garis no Rio teve início no sábado (1°) de carnaval. Muito se falou sobre possíveis articulações políticas por detrás da greve, de forma que a greve não seria legítima, ou seja, apenas pequeno grupo de garis estariam fomentando a greve por questões opositoras ao prefeito Eduardo Paes.

Eduardo Paes em entrevista a Rede Globo

Em entrevista concedida a Rede Globo (08/03/2014), o prefeito Eduardo Paes argumentou que a greve teria mais conotação política, de opositores, do que reivindicações trabalhistas. Também frisou que o gari Célio Viana já fora candidato a vereador deixando a subjetivamente que sua ação seria mais de oposição política.

image No vídeo mostrado a Paes, o gari Célio Vianna, que se apresentou como líder do movimento, disse que a classe queria um piso salarial de R$ 1.200,00 (mil e duzentos reais), mais gratificações. A prefeitura queria dar aumento de 9% (nove por cento) tornando o piso salarial no valor de R$ 874,79 (oitocentos e setenta e quatro reais e setenta e nove reais) – o que já destoa do artigo 7°, IV da CF/1988. Os garis não aceitaram, pois já estavam pensando em suas aposentadorias futuras, ou seja, se aposentar com R$ 1.200,00 é bem melhor que R$ 874,79 – o que é justificável, para manterem certa qualidade de vida. Apesar de a prefeitura oferecer 40% de adicional de insalubridade, totalizando R$ 1.224,70 de salário, os garis não aceitaram porque queriam aumento sobre o piso salarial. O representante do movimento, Célio Vianna, também declarou que o sindicato não os favoreciam nas negociações.

Diante do vídeo apresentado ao Eduardo Paes, com boa oratória, Paes disse que o vídeo fora oportuno mostrando que o problema do impasse nas negociações era por motivos de desentendimentos entre os garis e o próprio sindicando, de forma que a prefeitura nada sabia e, assim, não teria culpa no longo período de greve dos garis.  Paes também disse que o aumento exigido pelos grevistas seria inviável – o RJ não teria arrecadação de impostos suficientes para  proporcionar o aumento.

Somente com a negociação proporcionada pelo Ministério Público do Trabalho é que a greve dos garis terminou. Na negociação, os garis conseguiram aumento salarial perto dos R$ 1.200,00. A assessoria de Eduardo Paes disse que o aumento foi possível graças a revisão orçamentária.

Moral da história

Possível é atender os trabalhadores quando estes têm união e persistência. Num milagre repentino o aumento do piso salarial foi possível. Se houve ou não ações de partidos opositores na greve dos garis a verdade é que, mesmo assim, o proletariado brasileiro alimenta o Mais Valia em pleno século XXI. Política não é só partido político, mas política é inerente à vida de qualquer ser humano. Quando duas pessoas conversam e tentam chegar a um denominador comum já é política, isto é, política faz parte da vida do ser humano, pois enseja negociação, discernimento, benefícios mútuos.

Imprima ou salve em PDF

Sobre o Autor:
Humanista que contribui para a efetiva aplicação do artigo 3°, da CF/1988; (objetivos fundamentais), do artigo 5°, da CF; (Direitos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana), do artigo 37 (princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência; principalmente sobre a moralidade administrativa) da Constituição Federal de 1988; e Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana dos quais o Brasil é signatário. NÃO HÁ DIGNIDADE HUMANA NUMA NAÇÃO QUANDO A MAIORIA DO POVO NÃO TEM QUALIDADE DE VIDA SEJA POR: SALÁRIO MÍNIMO QUE NÃO ATENDE AS NECESSIDADES BÁSICAS (art. 7°, IV, da CF); ESCASSEZ OU AUSÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA (art. 144, da CF); SERVIÇOS PÚBLICOS INEFICIENTES (LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995); IMORALIDADE DOS AGENTES POLÍTICOS (LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992); DOENÇAS PROVOCADAS POR PRECARIEDADE NA INFRAESTRUTURA DE SANEAMENTO BÁSICO (LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007); OMISSÃO, NEGLIGÊNCIA DAS AUTORIDADES PÚBLICAS QUANTO AO USO INDISCRIMINADO DE AGROTÓXICOS NA ALIMENTAÇÃO HUMANA (LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989); VOTAÇÃO SECRETA DE PARLAMENTARES PARA ABSOLVER AGENTE POLÍTICO CORRUPTO..