Nossos livros digitais: Direito do consumidor, sociologia, política etc. Amazon [clique aqui para acessar], um dos sites mais conceituados em livros digitais. Os livros são de minha autoria.


POLÍCIA FEDERAL: SAIBA COMO DENUNCIAR. ACESSE AQUI.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

O terrorismo no Brasil. Uma visão além da "normalidade"

Dizer que não há terrorismo no Brasil é mesmo que dizer que não há guerra civil.

Terrorismo, dos traficantes e dos milicianos. Guerra Civil, entre Direita e Esquerda. Geralmente, a palavra guerra lembra projéteis, caças, porta-aviões, pelotões armados. Existe a guerra de informações e contrainformações, de forma que se fomente discórdias. O terrorismo, também, geralmente é considerado quando há explosões. O terrorismo psicológico pode ser tão devastador quanto o terrorismo por atos bélicos.

Guerras ideológicas, entre Direita e Esquerda, têm desencadeado o terrorismo. Manifestações, seja de qualquer extremo ideológico partidário, tem causado ataques verbais e físicos. A liberdade de expressão e de pensamento é uma ameaça, dentro e fora da internet. Qualquer um que se atreva discordar de uma das ideologias é um inimigo em potencial. Terrorismo e guerra, ambos se completam, e não dá muito para distingui-los quando o propósito é liquidar o inimigo, o inimigo do inimigo.

Temos dois extremos, de um lado os narcotraficantes e os milicianos, de outro os partidos políticos e os partidários da Direita e da Esquerda. Guerras e atos terroristas se desencadeiam. Qual é a pior para a democracia? Todas são péssimas. Qualquer guerra ou terrorismo dentro de um Estado é certo enfraquecer a civilidade que se espera de uma democracia. Essa encontra-se fragmentada, quase como escombros.

Há outra guerra, outro terrorismo, a ganância ímprobos lobistas e agentes públicos. Uma guerra contra o Estado Democrático de Direito, um terrorismo sofisticado que corrói os pilares da Democracia. Nessa guerra, nesse terrorismo, as mortes, não declaradas, oficialmente, são os cidadãos que suportam o ônus destes pesadelos: os péssimos serviços públicos, as compras superfaturadas, as compras desnecessárias, as reformas e construções que lembram as construções das pirâmides egípcias, levam décadas, se bem que, as pirâmides, foram terminadas.

As redes sociais servem de nefastos intentos sejam de milicianos, de narcotraficantes, de partidos políticos, Direita ou Esquerda, de homofóbico, heterofóbico, gordofóbio e tantos outros fóbicos. Invocam-se direitos, atos "sagrados", a compostura da "família de Deus", a "verdadeira religião", a educação "correta" aos filhos, a indumentária "correta" feminina, a oratória "correta", sem sotaques comuns regionais. O padrão de comportamento é um, o contrato social deve favorecer a qual tipo sanguíneo, a qual etnia, a qual estratificação social?

Os brasileiros se comoveram com os ataques terrorista na França, no entanto os mesmo brasileiros não admitem que fazem terrorismos contra os próprios concidadãos no território nacional. A guerra e o terrorismo, no solo pátrio, acontecem:

No trânsito: os algozes são os que dirigem alcoolizados;

Nos transportes públicos: os "encoxadores", os que negam a vez ao idoso, o motorista que coloca o veículo em marcha sem se importar com a vida do passageiro que ingressa ou sai do coletivo, os veículos que são colocados em circulação sem os equipamentos de segurança ou com os equipamentos inoperantes ou defeituosos;

Nas relação fornecedor e consumidor, cujo desconhecimento fidedigno dos consumidores aos seus direitos os tornam presas fáceis dos fornecedores;

Nas instituições democráticas, onde servidores tratam os administrados com desdém sejam eles operadores de Direito, pedreiro etc.;

Nos hospitais, quando os profissionais de saúde escondem-se dentro de algum local para não atender, prontamente, o infeliz indivíduo que incomoda pedindo ajuda;

Nos lares, quando homens trogloditas espancam suas parceiras "em nome do amor".

Delineei alguns comportamentos. Contudo, as relações humanas no Brasil se assemelham aos octógonos das lutas marciais, o importante é vencer o "inimigo". A diferença do octógono aos esportistas é que há competição para provar quem é o melhor, no octógono da vida diária dos brasileiros, a competição é simplesmente pelo fato de Lei de Gérson, ou leve vantagem em tudo.

A normose que se apresenta no cotidiano brasileiro tornam os cidadãos destituídos de limites ao bom senso. Por exemplo, os linchamentos. Justificam-se os linchamentos em nome da ordem, dentro de uma desordem criada. Justificam-se, também, a corrupção ativa, pois "os governantes roubam". Justificativas, assim formam-se guerras e terrorismo ideológicos no Brasil.

Entender a contemporaneidade brasileira é admitir que há desordem envernizada de ordem. A "normalidade" dos atos incivilizados, sejam pelos agentes públicos ou não, soam como consequências da pluralidade de ideias normais aos seres humanos. Ora, é normal a pluralidade de ideias, de convicções, o que não é normal é justificar atos desumanos como atos necessários para mudar os acontecimentos perturbadores à democracia, à civilidade.

A Revolução Francesa trouxe à lume importante lição: sem limites, todos irão parar na guilhotina, mesmos os defensores da ordem, da liberdade, da harmonia, do progresso, da paz, da igualdade. As denúncias de violações de direitos humanos aos afrodescendentes, às mulheres, aos LGBTs etc. Demonstram que há guerra e terrorismo no Brasil. Loucos os homens que admitirem que as agressões são apenas situações "normais" de divergências ideológicas.

This work is licensed under a Creative Commons Attribution Non-commercial No Derivatives license.Cópia e distribuição. Permissões, além do escopo desta licença Creative Commods 3.0, podem estar disponíveis em: http://www.transitoescola.net A cópia é permitida, desde de que cite este site / blog (colocar URL), A não ser de fontes replicadas, que podem ser modificadas, comercializadas, de acordo com suas respectivas licenças.

Imprima ou salve em PDF

Sobre o Autor:
Humanista que contribui para a efetiva aplicação do artigo 3°, da CF/1988; (objetivos fundamentais), do artigo 5°, da CF; (Direitos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana), do artigo 37 (princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência; principalmente sobre a moralidade administrativa) da Constituição Federal de 1988; e Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana dos quais o Brasil é signatário. NÃO HÁ DIGNIDADE HUMANA NUMA NAÇÃO QUANDO A MAIORIA DO POVO NÃO TEM QUALIDADE DE VIDA SEJA POR: SALÁRIO MÍNIMO QUE NÃO ATENDE AS NECESSIDADES BÁSICAS (art. 7°, IV, da CF); ESCASSEZ OU AUSÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA (art. 144, da CF); SERVIÇOS PÚBLICOS INEFICIENTES (LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995); IMORALIDADE DOS AGENTES POLÍTICOS (LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992); DOENÇAS PROVOCADAS POR PRECARIEDADE NA INFRAESTRUTURA DE SANEAMENTO BÁSICO (LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007); OMISSÃO, NEGLIGÊNCIA DAS AUTORIDADES PÚBLICAS QUANTO AO USO INDISCRIMINADO DE AGROTÓXICOS NA ALIMENTAÇÃO HUMANA (LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989); VOTAÇÃO SECRETA DE PARLAMENTARES PARA ABSOLVER AGENTE POLÍTICO CORRUPTO..