Nossos livros digitais: Direito do consumidor, sociologia, política etc. Amazon [clique aqui para acessar], um dos sites mais conceituados em livros digitais. Os livros são de minha autoria.


POLÍCIA FEDERAL: SAIBA COMO DENUNCIAR. ACESSE AQUI.

terça-feira, 8 de março de 2016

Dia internacional da mulher. Refletir é necessário

Brasil Progresso - Hoje é o Dia Internacional da Mulher. Em um planeta "masculino" — lê-se "machista" —, as mulheres são prisioneiras de filosofias "deus homem". Poderia bater na mesma tecla, mas não sem máxima importância, de quantas mulheres são assassinadas, mutiladas e prostituídas pela ação do ser animal humano chamado homem.

Todavia irei falar de forma "diferente" sobre a data comemorativas, no entanto, de alerta, às mulheres. Por que gostar das mulheres? Bom, vejamos o que no universo masculino se fala da importância existencial da mulher:

  • São belas, por terem seios e nádegas;
  • São ótimas, por serem domésticas;
  • São companheiras, por cuidarem dos filhos do "dono" do lar;
  • São confidentes, por saberem escutar, sem nada contrariar, o que o homem [chefe] fala;
  • São beldades que dão um toque especial nas publicidades de cervejas, carros etc.;
  • São perigosas, porque está na Bíblia — a mulher é ardilosa, coitado de Sansão;
  • Preenchem o vazio interior dos homens quando não conseguem promoções, a lascívia compensa a frustração;
  • São "mães" que catam roupas no chão, em cima do fogão etc.

Enfim, mulheres, doces, enquanto são compatíveis com as exigências dos homens.

Entretanto, homens lúcidos existem, sem terem a ideologia de que a mulher é fruto da costela de Adão, ou seja, o homem [deus criador] deu origem à mulher. Para os homens com mentes, digamos, iluminista, a mulher tem função primordial na participação evolucionária da humanidade. O "sexo frágil" não é frágil, numa concepção de que elas são "ignorantes", "emotivas histéricas", mas com sonhos, desejos e vontades de serem livres, em seus corpos [sexualidade], em suas palavras [liberdade de expressão, de decisão [profissional e como mãe].

Há mulheres oportunistas? Sim, assim como os homens. Todavia, as mulheres conscientes de suas funções [cidadania] à Nação agem em defesa dos direitos humanos. Defendem tantos as próprias mulheres, quanto os homens que sofrem, pois ser homem é ser, também, animal humano. Não buscam a desforra aos homens, muito menos a superioridade, a ação é de igualdade entre os sexos. Algumas são delicadas em suas ações, outras mais enérgicas, mas a vaidade feminina logo demonstra que os atos expressivos não importam muito, mas a essência feminina.

São destemidas? Sim, e temos exemplos, como Santa Genoveva, Joana d'Arc. E há outras, de forma anônima, como a mãe que faz de tudo, mesmo se sacrificando, em seu corpo e sua alma, para garantir o mínimo de conforto material e educação à prole. Guerreiras anônimas, que se esquecem de suas vaidades, tudo em nome de um amor maior, a amor de genitora. E não para por aqui, também dedicam seus minutos para ajudar os companheiros que se emaranharam nas teias do machismo, afinal, homem não erra, não sucumbe, não chora, não adoece. O macho alfa, fora do lar, um gladiador destemido, “invencível”. No lar, junto da prole e mulher, abaixa suas “armaduras” psíquicas diante do amor fraternal familiar. Beija a mulher, não pelo tesão químico de um macho, mas da química sublime do amor que transcende teorias comportamentais da sexualidade entre homens e mulheres. Freud não conseguiu compreender a psique feminina, talvez por que ainda olhasse pelo caleidoscópio secular do homem científico.

Como rosa, a mulher tem seus espinhos. O companheirismo entre homem e mulher poda os espinhos, o diálogo é a chama viva que alimenta a relação. Mulher e mulheres. Algumas querem somente os presentes de seus enamorados. Conquanto há mulheres que veem nos presentes a extensão do amor [verdadeiro, não interesseiro] representativo do homem. Há as mulheres sem “escrúpulos”, pois falam de suas sexualidades de suas vontades. Algumas vão ao encontro do homem desejado. Infelizmente, homens de mentes limítrofes [atrofiadas] consideram-nas “prostitutas”. E esses mesmo neandertais — se bem que estes não tinham as concepções ideológicas castradoras do sexo feminino — ensina as proles masculinas a enganarem às moças para “uma noite e nada mais”. O macho alfa, senhor da verdade, não é um voluptuoso, sendo suas ações “compreensíveis” pela sua condição biológica de espalhar os seus gametas e povoar o Planeta. Ora, povoar necessita de mulher, e ela não é um receptáculo do gameta supremo criador da vida; é parte de uma potência criadora que se unirá a outra potência criadora da vida, o óvulo.

A luz só atravessa uma superfície quando não é opaca!

A luz da sabedoria, destituída de valores segregadores e megalomaníacos, atravessa a superfície [da doutrinação cultural machista] quando está não é opaca [partículas conceituais de "superior" e "inferior", ou, simplesmente, o medo de se permitir ir além das convenções e enxerga o horizonte cintilante da universalidade, o amor.

Que vida magnânima terá a humanidade quando não existir mais as guerras entre sexos — e sexualidades.

Para saber sobre os direitos das mulheres consulte a CONVENÇÃO SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER

Imprima ou salve em PDF

Sobre o Autor:
Humanista que contribui para a efetiva aplicação do artigo 3°, da CF/1988; (objetivos fundamentais), do artigo 5°, da CF; (Direitos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana), do artigo 37 (princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência; principalmente sobre a moralidade administrativa) da Constituição Federal de 1988; e Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana dos quais o Brasil é signatário. NÃO HÁ DIGNIDADE HUMANA NUMA NAÇÃO QUANDO A MAIORIA DO POVO NÃO TEM QUALIDADE DE VIDA SEJA POR: SALÁRIO MÍNIMO QUE NÃO ATENDE AS NECESSIDADES BÁSICAS (art. 7°, IV, da CF); ESCASSEZ OU AUSÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA (art. 144, da CF); SERVIÇOS PÚBLICOS INEFICIENTES (LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995); IMORALIDADE DOS AGENTES POLÍTICOS (LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992); DOENÇAS PROVOCADAS POR PRECARIEDADE NA INFRAESTRUTURA DE SANEAMENTO BÁSICO (LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007); OMISSÃO, NEGLIGÊNCIA DAS AUTORIDADES PÚBLICAS QUANTO AO USO INDISCRIMINADO DE AGROTÓXICOS NA ALIMENTAÇÃO HUMANA (LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989); VOTAÇÃO SECRETA DE PARLAMENTARES PARA ABSOLVER AGENTE POLÍTICO CORRUPTO..